Páginas

Patrocinado

segunda-feira, 5 de maio de 2014

PERDÃO: Uma Atitude Libertadora...



Compreender o comportamento humano é um grande desafio, poucos aceitam o peso da vitória, e assim desistem de seus sonhos quando estes se tornam possíveis.

                                                                                                                          Deijone do Vale

Você é um veterano em culpa?

Já se enfrentou como seu próprio inimigo? Carrega uma dose dupla de culpa em sua consciência? ou vive culpando os outros pelos seus desacertos?

Esta na verdade é uma dura realidade vivida por tantos em seu mundo interno e que provoca um efeito devastador na saúde física, psicológica e espiritual.

Forças sinistras internas e externas bloqueiam sua paz e promovem o caos em suas decisões e escolhas, transformando-as em crises?

Qual é a temperatura de suas emoções em momentos decisivos? Uma mente abrasada? Fria? Passiva e morna?  Raso ou profundo?

Existem batalhas pequenas, conflitos breves que superamos facilmente, mas existem outras gigantescas, que afetam nossa humanidade, transformando-nos em bombas-relógio vivas, prontas a destruir outros e autodestruir-se de forma dolorosa e cruel.

Você é o seu próprio carrasco?

Na mitologia grega, a Caixa de Pandora expressa através do mito, a figura de uma mulher extremamente bela, enviada a terra pelos deuses com o propósito de vingar o roubo do fogo por Prometeu.

Pandora com sua Caixa, que continha todos os males que escaparam quando ela a abriu e espalhou-se pelo mundo, à exceção da esperança que permaneceu presa ao fecha-se a tampa da Caixa de Pandora.

Vamos trocar a Esperança presa na Caixa de Pandora, pelo Perdão.

Mas o que é mesmo o perdão? Conceder perdão, perdoar, é absolver, poupar. Perdão fala de paz interior, amizade, reconciliação, compreensão, harmonia, alegria e saúde.

Por outro lado, não perdoar outros ou a si mesmo, corrói a alma (mente, vontade e emoções), alimentando-a de ódio, contenda, fracasso, mágoa, ressentimento, desequilíbrios e patologias de toda ordem.

Dar ou receber perdão, duas vertentes que nos remete a graça.

Perdoar, um ato de graça  que é “justificado”,  termo técnico teológico, que nos leva a fé e a morte de Cristo, aquele que nos  “justificou”, nos tornou justos, como se nunca tivéssemos pecado... perdão completo!

Conceder perdão ou recebê-lo traz alívio, libertação do pesado fardo da culpa imputada a si mesmo ou a outros.

Culpa e falta de perdão é como aquele indivíduo que bebe um copo de veneno, imaginando que é o outro que irá morrer.

O homem que não consegue liberar perdão e cultiva sua dor, torna-se árido, sem viço, até os seus ossos envelhecem rapidamente. Então?

Mágoas são como cadeias que aprisionam e funcionam como aguilhões que impedem a cura e a liberdade.

Cura e perdão andam de mãos dadas. Quer ser curado? Quem você precisa perdoar ou pedir perdão?

Enterre para sempre suas amarguras, ofensas e pare de ficar lambendo suas feridas e acalentando a autopiedade. Lance ao mar do esquecimento... perdoe!

Qual é hoje a sua expectativa em relação a sua dor?  Guerra declarada? Vingança? Predador ou vítima? Justiça própria? Rebelião?

Livre-se imediatamente desses fardos de amargura e ódio. Se possível morra para você mesmo e renasça como alguém que assumiu um novo caráter, uma nova imagem, um novo vigor, um sopro novo em sua essência, alguém restaurado pelo perdão, receba graça e seja gracioso.

Abandone o engano e abra-se para o novo, tenha uma nova ordem em sua existência.

Ausência de perdão é como uma armadilha, um cativeiro que tolhe seu viver. O que tem te atormentado? Pense... e agora mesmo, liberte-se!

Todos os dias encontramos pessoas com perturbações mentais, prioridades distorcidas, agindo de forma autodestrutiva, desejos egoístas, cegueira e surdez espiritual, tudo porque não foram capazes de perdoar.

Você pode até pensar: isto é impossível, mas quero te dizer que perdão não é sentir emoção para tal, perdoar é uma atitude e uma decisão de reconhecimento.

Não resista, decida, fale, expresse o seu perdão em voz audível: Eu perdoo... seja o que for ou quem quer que seja. Perdoe! Está consumado, entendeu?

Vivemos em um mundo caído, com tentações, acusações, enganos, seduções, ciladas, mentiras, aflições, condenações, ciúmes, confusões e muitas vezes sentimos nossa vulnerabilidade.

Qual é a sua mentalidade: dúvidas? questionamentos? Indulgência ou responsabilidade? Liberdade ou legalismo?

A cada momento deparamos com problemas mentais ( distorções da mente, dos pensamentos e do comportamento); problemas emocionais (preocupações infundadas, depressão, raiva, insegurança, ansiedade, medos e fobias, invejas e autopiedade; vícios (sexuais, jogos, comidas, internet, pornografia) e doenças físicas de toda ordem.

Pode ser que o seu “espinho na carne” seja a falta de perdão (dar ou receber). Ouse perdoar ou pedir perdão, liberte-se do espírito da escravidão, do orgulho ou da auto-suficiência.

Mude sua mentalidade, quebre seus sofismas e enfrente seus argumentos de racionalizações, tão mesquinhos.

Como anda suas motivações? Qual a sua intenção? Justiça própria?

Renuncie sua vaidade e caminhe  em direção á liberdade e viva em novidade de vida e na plenitude de sua fé.

Avance com graça (favor imerecido de Deus), através da verdade, justiça e paz.

Medite no que acabou de ler aqui, agora vá até o espelho e dê uma olhada: o que vê? A imagem refletida mostra sua semelhança, você sabe com quem?

Algum dia você encarou a realidade de sua finitude? A sua própria mortalidade?

Ouvimos diariamente, Fulano morreu: de ataque cardíaco, acidente, dormindo, suicidando, de câncer e tantas outras doenças.

Alguns sobrevivem e dizem que quem passou pela experiência de “quase morte” muda radicalmente a sua visão de mundo, mas não é necessário chegar a tanto para mudarmos, não é mesmo?

Se você soubesse que tem 5 dias sobre a face da terra, o que faria? Como gastaria seus últimos dias, horas, minutos  e  segundos de sua vida terrena?

Pense sobre isso!

Você conhece alguém que nunca teve nenhum ferimento ou nenhuma cicatriz? O quê? Você é um sobrevivente?

Bem, temos nosso quinhão de tristezas, dores e  sofrimentos, uns mais, outros menos, e certamente esta é uma realidade na vida da humanidade, mas as melhores pessoas que conheço são aquelas que foram profundamente feridas e souberam perdoar.

E você tem sido moldado pelo quê? Qual tem sido o seu processo de crescimento e amadurecimento interior?

Orgulho ou prejuízo? Perdão e liberdade?

E por fim abençoe seus algozes, abençoe...abençoe...abençoe... é libertador!

A minha oração por você é de que Deus lhes dê uma unção fresca e que a vontade perfeita do SENHOR, se cumpra em sua vida.



Deijone do Vale

Neuropsicóloga