Páginas

domingo, 22 de abril de 2018

ORAÇÃO: Momentos de Sarça Ardente...






 
Fé: é uma posição que transforma sua história
 (Deijone do Valle)

                                                                 

Quando Deus falou com Moisés do meio de uma sarça ardente, no deserto, no monte Horebe, ele disse: “Moisés, Moisés!


Moisés respondeu: “Eis-me aqui.”  E Deus disse: “Tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estas é terra santa. Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.” (Êxodo – 3:4-5).


Oração são momentos de sarça ardente, quando Deus fala com o homem para guiar, dar instruções e direção.


Não existe dor, doença, perdas, pragas, maldições, escravidão e pecados que resistam a um momento de sarça ardente.


Oração é um precioso tesouro espiritual a ser escavado e que se mostra através de um clamor diante de um Deus pleno de graça, que se revela àqueles que o buscam em espírito e em verdade.


Oração exige disciplina, resistência, obediência, persistência e intimidade, pois a verdadeira comunhão do homem com Deus está alicerçada na busca diária por sua presença que desnuda nossa realidade espiritual.


E você é um homem ou uma mulher de oração?

Já sentiu o peso da glória de Deus?

Recebeu revelações?

Foi testado pelo tempo?

Compreendeu o silêncio de Deus?

Combateu o bom combate?

Guardou a sua fé?


Somos sacerdotes reais chamados para nos posicionarmos na brecha através da oração, comissionados para levar aos cativos e oprimidos pelo diabo, o evangelho da graça e da salvação.


Somos Nação Santa, valentes de Deus para pisarmos serpentes e escorpiões, e nos assentar nos lugares espirituais em Cristo, exercendo autoridade através da oração, porque essa é a nossa posição espiritual diante do mundo.


Vivemos entre forças oponentes: o bem e o mal; o mundo natural e o sobrenatural; o carnal e o espiritual, mas somos Corpo de Cristo, portanto, mais que vencedores.


Oração é uma arma poderosíssima, uma arma espiritual mortífera e de grande alcance, capaz de destruir principados e potestades, devastar as forças do mal desse mundo tenebroso e que se encontra sob o domínio do deus desse século: Satanás.


Oração é o instrumento de enfrentamento da oposição, da batalha espiritual que se levanta contra as forças satânicas que cegam e dominam nações, raças e credos.


A oração nos oportuniza abrir fronteiras e resistirmos às trevas do engano, do pecado e imobilizar as forças espirituais do mal que impedem o avanço do reino de Deus na terra.


Quando temos uma vida de oração nos empoderamos, somos ousados para enfrentar esse mundo caído e nos enchermos da vida e glória de Deus nesse diálogo celestial.


Deus é um Deus do “sim” e do “amém”, portanto, a oração é uma conexão direta, todavia as dimensões do natural e do sobrenatural devem se alinhar em uma posição de fé e rendição.


Oração é deleite, entrega, dependência, santificação, confiança, edificação, coragem, permissão, ação, justiça, transformação, autoridade e poder e tudo depende da sua oração.


A oração diária nos possibilita enfrentar aspectos negativos de nossas vidas e superar adversidades (morte, perda do emprego, divórcio, doenças, crises de toda ordem), combater ousadamente circunstâncias desfavoráveis que minam o psiquismo e ocasionam níveis elevados de stress, ansiedade, depressão e inércia.


A fé exercida através da oração afeta o cérebro de forma a possibilitar um fortalecimento na condição mental, seja nos aspectos cognitivos (atenção, concentração e memória), ancorando o emocional e viabilizando neurologicamente maior ativação dos lobos frontais, responsáveis pelo processamento da informação, principalmente as de caráter executivo.


O córtex pré-frontal, encarregado da tomada de decisões fornece uma boa dose de auxílio na regulação das emoções, controlando e equilibrando o comportamento.


Nosso S.N.C. (Sistema Nervoso Central), uma floresta amazônica formada por um emaranhado de  neurônios e células da glia, um sistema extremamente complexo com suas estruturas notáveis, como o nosso incomparável  e espetacular cérebro, esse protagonista de toda nossa história de vida, elaborado graciosamente por um Deus gentil que nos criou à sua imagem e semelhança.


Ao orarmos nosso lobo frontal torna-se um formidável comandante em equacionar as relações entre o comportamento manifesto, emoções e pensamentos.


O lobo parietal por sua vez é um habilidoso maestro no estabelecimento do conceito espacial em relação ao self, e no momento da oração, ocorre uma silenciosa sinfonia das atividades do lobo parietal, diminuindo a relevância da condição tempo/espaço.


Quando mergulhamos na fé, distanciamos do mundo físico, gerando uma sensação de descanso, plenitude e calmaria entre o corpo físico e a alma (mente, vontade e emoções), é como se o corpo se unisse unicamente ao espírito (consciência, intuição e comunhão).


Quando a neurociência quer conversar com a fé, apoia-se nas imagens de ressonância magnética para observar como o cérebro funciona e que áreas são ativadas quando se está orando e em comunhão com o sagrado.


A fé afeta o cérebro de forma a fortalecer a condição mental e a linguagem, promovendo melhoria na qualidade de vida e influenciando no modo pelo qual as pessoas veem umas às outras, favorecendo uma maior conscientização no processo de empatia (capacidade para se colocar no lugar do outro), e ampliando a visão sobre objetivos e propósitos de cunho existencial.


Fé e oração não devem se apoiar em evidências psicológicas, biológicas, neurológicas ou filosóficas, mas na motivação de quem as pratica, baseando unicamente em seu relacionamento com Deus , essa deve ser a motivação de sua evidência espiritual.


A  fé transcende a alma, fé é uma confiança e convicção inabalável, fé é consciência, fé exclui o medo, a incerteza e a dúvida.


A experiência clínica nos proporciona viagens incríveis e diversos questionamentos que se descortinam a partir de premissas e alguns apriori sobre fé, ciência e oração, e até já me perguntaram se orar é terapêutico.


Deus é a essência do amor e eu diria sim, orar é terapêutico, é curativo no sentido amplo da comunhão com o divino, e essa perspectiva do poder da oração pode ser dimensionada partindo da premissa de que a graça de Deus é plena para àqueles que o buscam incessantemente alicerçados na fé em um Deus invisível mais real.


Vale lembrar que a crença em relação à existência de Deus, jamais poderá ser explicada por conceitos humanos, sejam eles teológicos ou científicos.


Oração é um estilo de vida, mas também um desafio constante, principalmente quando Deus parece terrivelmente ausente e silencioso aos nossos veementes apelos e súplicas.


Você constrói sua vida com Deus, através da oração, quando caminha na sua luz e coloca a sua mão na mão  d’Ele, lembrando a cada instante o quanto é amado.


E isso me faz  declarar: “Bendito seja Deus que não me rejeita a oração e nem aparta de mim a sua graça”.
 

Qual é a sua graduação em oração?

Um soldado raso, sem forças ou um general de guerra ousado  e faminto por Deus?

Saiba que a oração traz o reino de Deus à terra.

Oração é a nossa digital espiritual, oração é quem somos, portanto, ajoelhe-se e ore até vê-lo face a face.

Minha oração por você é que aprenda a ouvir a voz de Deus, independente de conceitos, teorias e paradigmas.

E como diz o salmista: “Se tenho a Ti SENHOR, do que mais eu preciso?

MARANATA!  Ora vem, Senhor Jesus.



Deijone do Valle

Neuropsicóloga

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

AMOR (IM) PERFEITO: tornar-se uma só carne...


AMOR (IM) PERFEITO: tornar-se uma só carne...

“Gostaria que eu tivesse um ponto de beleza que amasses secretamente... gostaria de ser o teu sorriso preferido...”

Todo ser humano terá alguém que o ama, e isso me recorda um conto de fadas da minha infância, contado por Dona Cândida, avó de uma amiga: “A Bela e a Fera”.

Uma fera perigosa? Uma bela corajosa?  Esse amor antagônico penetrou profundamente em minha alma infantil, provocando fantasias indizíveis, que até hoje povoa meu imaginário e mobiliza o sistema límbico, numa tremenda farra de sensações mescladas, esculpidas e escancaradas de muitas saudades.

Ah, o amor! Esse sentimento nobre carregado de paixões, filtradas através do impulso neural, que aciona um vulcão de emoções aparentemente inativo, explodindo em puro fogo e apontando o seu implacável dedo luminoso de uma verdade essencial: a subjetividade amorosa da natureza humana.

Uma verdade incontestável, desse encantado mundo de sonhos, fantasias, desejos, e que podem despedaçar uma alma, mas também eternizar a beleza do amor e deixar sua marca “ad eternum” em nossos corações.

Amor, essa graça divina, é a graça das graças, a maior emoção humana, uma sensação indizível, a verdadeira identidade que autentica a nossa humanidade, esse dom celestial, a completude da vida, o toque original da fagulha de um Deus onipotente.

Tudo deveria estar alicerçado no amor, esse tesouro de nosso espaço interior, essa força grandiosa concedida à alma humana e que nos possibilita vivenciar dimensões sobrenaturais.

Do ponto de vista fisiológico e através dos cinco sentidos é possível  perceber a afetividade,  que se descortina  no olhar, no toque, na doçura do ouvir, na interpretação do cheiro e sabor provocado em nós pelo outro,  tudo isso  em acréscimo às  mudanças psicológicas que se sucedem e que alimenta o centro das emoções, regulando ou desregulando o substrato neural, deixando o cérebro em um emaranhado de vivências e experiências personalíssimas  que moldam ou condicionam, nossa forma de amar.

Viver em par? Avulso?

Somos seres do afeto, dos vínculos que nos humaniza e provoca  uma maratona de substâncias neuroquímicas,  que trabalham a todo vapor ou cruzam os braços,  desencadeando  respostas coerentes ou não em nosso S.N.C. (Sistema Nervoso Central), ativando sem dó e nem piedade a intrometida Dopamina ou a dominadora Oxitocina, deixando sensações de prazer viciante ou estressante, levando-nos aos píncaros da glória ou ás raias da loucura, por isso nunca subestime o poder desafiador dessas substâncias que devem ser controladas e equilibradas do ponto de vista médico e também pela capacidade de exercitar e manter a inteligência emocional.

Nessa batalha travada nos circuitos cerebrais, cada emoção se combina em uma via somática, produzindo um sentimento eliciado por um determinado estímulo, e que responde através de uma atitude coerente ou não, dependendo da neuroquímica atuante no cérebro naquele momento.

Então, é preciso dar uma turbinada na mente, renovar e limpar o lixo da ansiedade, do medo, do desespero, da depressão e de qualquer outra emoção negativa que bloqueiam pensamentos saudáveis e impossibilita ou impedem de vivermos a plenitude de nosso potencial.

Mente renovada é a chave para uma transformação profunda e efetiva, portanto,  não se conforme com o status quo de certos circuitos cerebrais, que ao se desorganizarem geram angústia e dor.

Sim, você é responsável por sua vida, mas na dependência de algo extraordinário que se chama fé.

Fé é a dependência de Deus, e isso certamente trará paz para sua vida, afinal além do físico e mental, somos seres espirituais quer aceite ou não.

Uma coisa é ter na mente um amor mundano, um amor que o mundo aprova e outra muito diferente é ter um amor que te foi dado pela Graça de um Deus justo e verdadeiro.

Se você deseja um amor escolhido por Deus terá que gerar em oração, talvez possa passar décadas, e o tempo é um grande teste em nossas vidas, mas se você se mantiver firme e no foco, terá uma resposta boa, perfeita e agradável.

Já pensei o amor de um homem e de uma mulher, sob vários ângulos, já busquei nas neurociências e em outras teorias, mas cheguei ao fim, convicta que se esse amor não tiver o selo do Espírito Santo  está fadado ao desencanto e à ruína.

Amados, se você deseja se casar e isso parece um sonho impossível, entre no descanso de Deus e da  busca através da oração, clamor, perseverança, confiança e fé, e  não se desespere,  e nem desanime, pois é possível que em algum momento, você comece a duvidar de que seus sonhos se transformem em realidade, afinal vivemos em um mundo caído, corrupto, amoral, violento, um mundo perdido pelo pecado, pela torpeza, por mentiras e enganos, um mundo extremamente cruel, corrompido pela inversão de valores, onde o amor parece banidos dos corações.

Quando passamos pelo deserto ou pelo vale da sombra da morte (doenças, perdas, crises, mortes, esperas,  ataques de toda ordem), nossos joelhos espirituais começam a tremer ao percebermos as armas forjadas contra nossa vida, línguas afiadas que se levantam para amaldiçoar, acusar, julgar e condenar, mas a boa notícia é que na Palavra de Deus está escrito que o justo viverá pela fé.

É verdade, somos novas criaturas, estamos em Cristo, temos sua natureza e  vida de Deus dentro de nós.

A Sexualidade é um dom de Deus,  e que delícia essa promessa: “...e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne”. (Marcos 10:08),  e essa intimidade, completude, unicidade e fusão,  somente poderá ser vivida na dependência de DEUS.

Não ouça o que diz o mundo, não ouça as vozes contrárias, que se levantam para ferir, para destruir e abortar sonhos, não ouça os desdenhosos, eles são sabotadores de vida e de esperança, são instrumentos de morte, de isolamento, são intolerantes, invejosos e maledicentes, são desencorajadores, envenenam a vida daqueles que estão próximo, usam a fofoca, a intriga, a infâmia e a difamação, o seu fim é choro e ranger de dentes.

Não tenha medo, afinal você e eu somos parceiros de Deus, portanto, mais que vencedores.

Valores morais e caráter de Cristo são nossas herança, podemos celebrar o sexo de forma excitante, sob as bênçãos de Deus que é construída no equilíbrio das necessidades de ambos, e para que isso aconteça é necessário o amadurecimento emocional e espiritual.

Na Bíblia em Cantares de Salomão as emoções produzidas pelo amor são expressos de forma vívida e poética, comparado ao vinho, a mulher amada como um jardim, e o amado  à  uma  macieira, com sombra e frutos doces.

Nosso corpo é o templo do Espírito Santo e tornar-se uma só carne é a celebração do amor em liberdade para tocar e ser tocado,  com confiança,  segurança, e poder passear pelo jardim sem se sentir envergonhados mas com ousadia e doçura.

Uma liberdade comprometida, alicerçada no casamento, para desfrutar um do outro com afeto, desejo e admiração, pois a sexualidade foi nos  dada como um presente por um Deus infalível e poderoso.

Tornar-se uma só carne... o maior desafio do amor.

Tudo ao Deus do meu amor...

Deijone do Vale
Neuropsicóloga

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

TONALIDADE AFETIVA: Amor, uma busca eterna...



Sem pressa. Sem vírgula. Sem ponto final. Sem mágoa. Sem dor. Só amor, por favor.

 
                                                                                       Deijone do Valle




 

Confesso ousadamente que sempre esperei e espero muito do amor...
E você?

Quantos sonhos, idealizações, doces fantasias e esperas eternas? a realidade sempre nos mostra a sua cara austera e legitimamente enigmática.

Ah! o amor... mas o que é mesmo o amor?

É um território desconhecido ou você conhece o caminho?

A essência da vida é o amor, e que atua nas fronteiras de nossa psiquê e nos transforma.

Comparo o amor com a primavera. É primavera! Primavera do amor e das estações.

Vivemos em constantes mutações, contradições e travessias infindáveis.
Dentro de você é primavera também?

Primavera colorida, doce, perfumada e florida... a primavera é assim, nos deixa com a alma leve e renovada, acredito que a primavera é a estação dos amores, dos lábios que se  devoram, do riso contagioso, dos beija-flores, do sol, do girassol, do bem-te-vi, do...
E nessa manhã ensolarada, estou a pescar sonhos dentro de mim e trazê-los à vida...

Na mitologia grega, Eros, era considerado o deus do amor, filho de Afrodite, retratado como um inocente anjinho mimado, de cabelos louros, simbolizando a eterna juventude, uma figura mitológica que personifica o amor, sempre com seu arco e flecha envenenados, e tendo como alvo o coração dos humanos e dos deuses.

A flecha do cupido quando nos atinge, afundamos como em areia movediça, mergulhamos além da superfície e muitas vezes nos afogamos nas próprias lágrimas.

Somente os apaixonados sabem do vendaval de emoções incorporados ao amor: tormentas, esperas, ciúmes, e loucuras jogadas aos quatro ventos.

Biblicamente o amor é comparado como sendo melhor do que o vinho, doce ao paladar, totalmente desejável, perturbador, formidável, puro, forte como a morte e arrebatador.

Que delícia: “mel e leite se acham debaixo da tua língua”... “arrebataste-me o coração com um só dos teus olhares”... “jardim fechado, manancial recluso, fonte selada, poço de águas vivas, mas o ciúme é duro como a sepultura”... (Cântico dos Cânticos 4:11-13).

Amor, essa montanha russa emocional que nos tira o fôlego, arrebata a alma e faz uma tremenda ciranda em nossa atividade cerebral, uma verdadeira farra com a substância dopamina, inundando o cérebro com uma sensação de bem estar e prazer, cuja atividade é justamente acalmar as necessidades biológicas através dos processos neuronais, elevando a concentração dos neurotransmissores no sistema límbico, e acionando incessantemente o sistema de recompensa.

Assim, com os mecanismos psíquicos e cerebrais ativados em alta rotatividade, nos sentimos voláteis e flutuamos como flocos de algodão, mas basta sermos abandonados, é acionado um “curto-circuito” neuronal e mostraremos de imediato nossa frustração da expectativa não correspondida e aí tudo pode acontecer: agressão, depressão com matizes afetivas variadas, indo do desprezo ao ódio declarado. Incrível, não?

Temos muito que aprender, e segundo a Bíblia o amor é um dom supremo, o amor é paciente, é benigno, não se ressente do mal, não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade; o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, o amor jamais acaba e sem amor nada seriamos.(Coríntios 13:4).

Qual é a sua tonalidade afetiva? 

Tudo conspira, o corpo, a alma e espírito, todos envolvidos nessa emoção espetacularmente humana e divina.

Visualmente imagino o amor como uma taça de champagne borbulhante, formada por reações viscerais, motoras, neuronais, hormonais, psicológicas, emocionais, culturais e espirituais e que atuam diretamente no sistema límbico, esse centro extraordinário que de certa forma é o responsável por metabolizar nossas emoções, com suas  complexas estruturas fisiológicas (giro cingulado, septium, bulbo olfativo, amígdala, corpo mamilar, hipocampo e fornix), onde os hormônios são liberados e caem na corrente sanguínea potencializando seus efeitos no SNC (Sistema Nervoso Central), dando uma boa acelerada nos batimentos cardíacos e promovendo aquela sensação gostosa no peito, uma espécie de euforia e prazer, tão comum nos apaixonados.

O sistema límbico, turbina e reforça os vínculos afetivos, gerando intimidade no casal de apaixonados, e fazendo com que as reações experimentadas em nome do amor, modifique radicalmente a bioquímica cerebral e corporal, provocando significativas alterações no humor, na memória, nos pensamentos e no organismo como um todo.

Apaixone-se, é uma doce viagem para além da alma, uma combinação explosiva de arrepios e calmaria, de luzes e sombras, de fogo e cinza, de fertilidade e caos, de loucura e consciência, de sorrisos e lágrimas, esse amor que sincroniza as batidas do nosso coração com o coração do outro: Tum... Tum... tum... tum...

Basta olharmos diretamente nos olhos do amado por alguns minutos, que isso afeta o cérebro e nos acalma como um potente analgésico, e se abraçarmos aí cura até dores de cabeça, não acredita?  Experimente!

E se o seu amado está longe de você, vale olhar a fotografia, que de certa forma aliviará a sua dor, seja física ou emocional.

Aquela velha estória de que os olhos são espelhos da alma é verdadeira, então não fique surpreso se você se apaixonar ao olhar nos olhos de alguém, pode ser que nesse  exato instante a flecha do cupido foi mergulhada em uma substância chamada feniletilamina, conhecida como o hormônio da paixão,  esse neurotransmissor pode desencadear sensações fisiológicas desde a famosa mão suada, palpitações e respiração  ofegante, é uma combustão química e certamente vai atingir de cheio o seu coração, fazendo-o mergulhar nas raias da paixão.

Em contrapartida temos as dores de amor. Você já ouviu falar na “Síndrome do Coração Partido? pois é isso mesmo, um sofrimento emocional grandioso poderá liberar substâncias cerebrais que enfraquece o coração e provoca dor no peito, no entanto, quando se segura à mão do amado, isso ajuda a aliviar a dor e o estresse.

Um coração “quebrado” revela uma dor psicológica associada a perdas e que poderá ocasionar uma patologia conhecida por “Cardiomiopatia Takotsubo”, ou Síndrome do Coração Partido, que é o enfraquecimento da musculatura do coração devido à produção de substâncias nocivas pelo cérebro, apresentando quadro clínico similar ao infarto agudo do miocárdio, os quais foram desencadeadas por conflitos psíquicos.

Nosso ego é uma espécie de espelho no qual a psiquê pode se ver, e tornar consciente de suas verdades, medos, uma vez que esse ego funciona como um agente individualizante da consciência humana, então fique sempre alerta àquilo que modifica  seu humor, para assim decidir assertivamente suas escolhas, sem se perder em doses elevadas de ansiedade.

Isso me faz pensar em montanhas, que são símbolo de força e poder: “firme como uma rocha”. Montanhas são arquétipos que nos induz à ascensão espiritual, à firmeza, impassibilidade e refúgio.

Faça o seguinte exercício: “Suba até uma montanha e contemple lá de cima, você terá uma perspectiva extraordinária, talvez essa experiência de subir a montanha e contemplar o infinito lá do alto, possa  fazer você dimensionar a sua capacidade de amar e de se doar. Experimente!

Quero ainda te dizer que o amor é a maior emoção humana que podemos experimentar e que não existem motivos para amar, segurar na mão e dançar, basta estar vivo.

Encerro esse texto, mas o amor é infinito. E uma vez mais cito a Bíblia, essa fonte inesgotável de amor: “Leva-me a sala do banquete, e o seu estandarte sobre mim é o amor”.

“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu”.

Além da química entre os apaixonados deve existir mais, muito mais entre o céu e a terra...

“Vem depressa amado meu!”... (Cântico dos Cânticos).

Deijone do Valle
Neuropsicóloga

domingo, 31 de julho de 2016

ENCONTROS, DESENCONTROS... e os mecanismos de defesa do Ego




Há duas maneiras de sermos enganados:
uma é acreditar no que não é verdade, e a
 outra é se recusar a acreditar no que é verdade.
Deijone do Valle

Gênesis... que eu mude agora e sempre que precisar. 

Olhe ao seu redor e dê uma boa espiada no mundo em que vivemos... caótico, inseguro e amoral... mas também sublime, cheio de esperanças e de pessoas... um verdadeiro paradoxo. 

Ah! Humanidade!

Você já olhou para trás, em retrospectiva e verificou o quanto de seus sonhos, metas, objetivos e planos se realizaram?

Não realizaram? Tomou a estrada errada? Onde estão os sentimentos nobres de sua alma?

Adormecidos, anestesiados ou mortos?

Talvez estejam apenas adoecidos por ressentimentos, mágoas, desejos de vingança e retaliações. Você desistiu? Está com medo? Apático e inseguro? 

É melhor acertar logo essa diferença entre sentimentos e ações, emoções e razão, uma tarefa extremamente delicada e complexa, e que qualquer um de nos deverá fazer como um rotineiro dever de casa.

Esse é o desafio: acertar o compasso daquilo que somos, do que queremos ser e daquilo que precisamos vir a ser... grande desafio e eu te desafio.

Devemos explorar o nosso consciente, e o inconsciente também, para promover algumas associações sobre alguns acontecimentos e interpretar o que eles significam verdadeiramente em nossas circunstâncias.

Em nossas vidas existem coincidências significativas, aqueles acontecimentos que não conseguimos explicar mas que sinalizam algo significante e isso acontece o tempo todo. 

A dificuldade é que muitas vezes fixamos o olhar naquilo que nos falta e não em nossas potencialidades e plenitude, e assim ficamos explorando apenas carências.

O que vai bem? E o que não vai bem? Feridas sangrando? Será que não são feridas narcísicas, cultivadas com esmero e que servem para relativizar o que somos?

Examine calmamente suas angustias, seus conflitos e suas zonas de desequilíbrios, seus impulsos  instintivos reprimidos e suas fantasias.

Explore suas fronteiras psíquicas e veja como se interconectam com o mundo externo, ou seja, seus conflitos pessoais, impulsos e as defesas de seu ego, com as habituais resistências aos indesejáveis afetos que promovem uma “blindagem de caráter” tão conhecidos dos psicanalistas que são os mecanismos de defesa do ego como: isolamento, repressão, introjeção, regressão, anulação, reversão, formação reativa, projeção, inversão e sublimação.

Estes mecanismos de defesa nada mais são do que maneiras diferenciadas de um indivíduo se manifestar frente aos seus conflitos instintivos e seus afetos, confrontando-os com a resistência de seu ego, os quais são manifestados individualmente expressando de forma personalíssima a sintomatologia, que observamos nos pacientes, principalmente nas neuroses.

Medo e ansiedade são inibidores da nossa capacidade em levar a diante escolhas de qualidade, uma vez que os conflitos internos estimulam pensamentos irracionais, intensificando a ansiedade assumindo o controle do cérebro.

É necessário o exercício diário da paciência, cultivando a serenidade e não permitindo que o estresse queime toda a sua energia mental minando o neo-córtex, e assim promovendo o desequilíbrio de suas funções e retirando a eficácia do funcionamento. 

Você já percebeu que existem pessoas que conseguem despertar o que temos de melhor? 

Em contrapartida outros, o que temos de pior.

É incrível quando encontramos pessoas que brilham internamente de forma tão intensa que extravasam sua luz para outros e contagia todos a sua volta e que sem elas a vida fica rasa.

Pessoas deliciosas que não ficam preocupadas com o sucesso alheio cultivam o bom humor e sempre tem um sorriso para você.

Pessoas que sabem perdoar sabem pedir desculpas, sabem voltar atrás em opiniões assumindo as consequências, sempre prontas a acolher, abraçar, cuidar e oferecer afeto.

Pessoas que conhecem nossos defeitos, mas não os evidencia, não nos pressionam com seus argumentos lógicos, concretos e sempre irrefutáveis.

Pessoas que não subestimam sua timidez, sua insegurança e fraqueza.

Isso nos confronta com o tipo de pensamento que provavelmente estamos condicionados a ter e a maneira que escolhemos para percebermos a vida.

Nada melhor do que estar consciente de nossos pensamentos e atitudes, e para que isso aconteça é necessário percebermos o nosso Ego, esta fonte autocentrada, narcísica, egoísta e que algumas vezes nos faz esquecer a compaixão e a empatia. 

Ego, essa fonte extravagante de energia psíquica sempre em busca de gratificação, sempre produzindo sentimentos de tensão devido imperativos defensivos de suas fronteiras.

Uma das funções do ego é sintetizar e fazer com que os impulsos do id se harmonizem com a censura do superego estabelecendo a paz na psiquê.

Caso contrário se o ego não ganhar leveza transforma-se em fardo com seus habituais mecanismos de defesa.

Logicamente, uma das funções do ego é a autopreservação, no entanto, necessita estar em consonância com outras variáveis, este ego deve funcionar como um bom advogado promovendo uma psicodinâmica entre a fonte primária de energia que é o id, cujo impulsos atendem demandas físico químicas do organismo na obtenção de diversos fins, imediatos ou não,  como a libido ou Eros, energia sexual, e o Tanatos, impulsos de morte, nessa eterna  guerra entre vida e morte. 

A energia mental no sentido destrutivo ou construtivo, tem como fonte o id e é regido pelo princípio do prazer, pelo imediatismo do aqui e agora e está à serviço do ego na sua luta adaptativa, ou  alimentando as pressões do superego, que sempre buscará censurar, um verdadeiro carrasco acusador. 

Id, Superego e Ego são estruturas psíquicas que apesar de independentes não podem ser consideradas separadamente em seu funcionamento.

Imagine a seguinte cena: O Id diz: “Estou tenso porque quero esta BMW e vou roubá-la”...

Imediatamente o Superego retruca: “Não roube, você será preso”...

Então o Ego, como um bom mediador pondera: “Você poderá ter esta BMW, basta trabalhar dobrado, economizar  e assim terá como comprá-la”.

O Ide age pelo impulso imediatista, o Superego censura bravamente, mas uma personalidade equilibrada dependerá sempre de um Ego fortalecido que fará a harmonia reinar no psiquismo.

Caso esse equilíbrio não venha a acontecer, teremos padrões desviados de normalidade, mas um ego fortalecido encontrará saídas para agir na dinâmica psíquica interagindo no substrato energético que é o organismo como um todo.

Os mecanismos de defesa do Ego, em sua maioria são inconscientes e sua função é de proteção e de manter a estabilidade emocional, no entanto, estes mecanismos de defesa se utilizados inadequadamente levará a distúrbios psicológicos, caso funcione adequadamente cumprirá o seu papel.

Por exemplo, o mecanismo de defesa: “Compensação”, visualize em sua mente pensante um homem que não cresceu e que ficou com a estatura reduzida poderia sentir-se inferiorizado, então se esforça ao máximo para desenvolver uma grande capacidade intelectual e fica famoso, mas não tem consciência que foi seu sentimento de inferioridade que gerou  a motivação para a fama.

No mecanismo de defesa: “Negação“, este é um dos mais primitivos que existe em nosso Ego, e consiste em bloquear percepções que o indivíduo não aceita em sua realidade imediata.

Como vemos as atividades mentais funcionam com alguns mecanismos de defesa do ego e são utilizados exatamente para manter a homeostase psíquica.

No consultório fica evidente a percepção de que o Ego, é um antagonista do terapeuta.

O nosso Ego é uma tremenda força emergente dos processos inconscientes, e logicamente promove uma resistência ferrenha contra o trabalho terapêutico que é minar as operações defensivas do ego e trazê-los à consciência.

É interessante termos um registro dos eventos que desencadeiam em nós emoções exagerados, pois se analisarmos detalhadamente descobriremos coisas interessantes, basta investigar e verificar que tipo de emoção está sendo mobilizada e assim promover transições significativas dessas experiências de puro amadurecimento.

Você se recorda de algum momento emocional decisivo que você superou com graça? 

Isso te propiciou descobertas? Você já teve algum encontro original que lhe rendeu uma sintonia extraordinária?

Alguns acontecimentos em nossa vida não podem ser mensurados por conceitos temporais, parecem eternos e de uma unidade e unicidade extrema e que expande a nossa mente como afirma a física quântica, essas possibilidades fora do limite do tempo/espaço.

É muito comum sentirmos o olhar de alguém antes de percebermos a presença da pessoa. Sonhos também são grandes aliados, eles podem fornecer soluções incríveis para todos os tipos de problemas da vida real.

Sonhos podem acrescentar soluções inovadoras e nosso cérebro possui uma capacidade de realizar projeções profundas que estão além do tempo e do espaço.

Mantenha sempre um diálogo interno com você mesmo, principalmente quando estiver em dúvida sobre alguma questão, pois o significado mais profundo é conhecido pela nossa psiquê, e a resposta poderá vir através de sua intuição e criatividade.

Ter convicção é algo incrível, pois nosso cérebro está de certa forma programado para reagir às dúvidas com ansiedade e medo, especificamente o sistema límbico está área responsável pelas emoções, e quando assume o comando de imediato promove uma farra de desorganização gerando medo e que pode nos levar ao pânico, e dependendo do que foi armazenado no subconsciente, bloquear nossas possibilidades de enfrentamento.

Emergente se faz a necessidade de se posicionar em novas formas de enfrentamento, como desenvolver decisões e estratégias arrojadas alavancadas por convicções internas que poderão dar suporte ao cérebro e promover um ganho elevado de dopamina, o hormônio da alegria e do bem estar, caso o contrário se houver ansiedade e medo isto eleva os níveis de cortisol, o hormônio responsável pelo estresse que inibe e perturba nossa memória e concentração, desequilibrando o sistema imunológico e tornando nos suscetíveis ao adoecimento.

Cultive sua capacidade em realizar escolhas com convicção,  assim a possibilidade de ser assertivo será maior, pois pessoas que confiam em suas escolhas e exercitam sua  intuição são mais propensas a enfrentar os desafios com êxito e maior grau de assertividade.

No final de tudo a nossa humanidade sempre nos oferecerá duas perspectivas: uma é a de ver o que é real e a outra o que não existe.

Deijone do Valle
Neuropsicóloga